ORAÇÕES CONTRA O SER

O Salmo 106 nos diz o seguinte no verso 14 e 15:

“Entregaram-se à cobiça... e tentaram a Deus na solidão. Concedeu-lhes o que pediram, mas fez definhar-lhes a alma”.


A primeira vez que me dei conta desse texto eu ainda era um menino de vinte anos em Manaus.

Assustou-me a afirmação de que Deus pode fazer concessões à insistência e à obstinação. O “pedinte obstinado” pode até celebrar o “recebimento da benção” como resposta à sua oração. Todavia, sem o saber, ganhou o prêmio de sua própria cobiça, e o resultado será o definhar de seu ser!

Aqui habitam alguns perigos:

O primeiro é o da espiritualidade baseada em resultados objetivos!

Muita gente julga que Deus está do seu lado ou contra, conforme o critério de realização de seus desejos. Faz-se um plano de ação e se o persegue com a “mente positiva” da oração e do trabalho. Consegue-se o que queria. E a interpretação é: “O Senhor confirmou”.

O que parece que as pessoas esquecem é que ateus e perversos também são muito bem sucedidos e não recorrem a Deus para tal!

Mente obstinada e coração obsessivo têm grande poder em si mesmos. Daí os livros de auto-ajuda ajudarem tanto. E nada há de errado em fazer planos e buscar alcança-los. Objetivo e disciplina sempre deram certo nas vidas da maioria dos seres humanos.

O segundo perigo é confundir meu êxodo da vontade de Deus com meu êxito na vida!

Quando o critério da avaliação é o que dá certo, perde-se o discernimento do que é certo.

Nem tudo o que dá certo é certo!

E nem tudo o que é certo, dá certo!


Num mundo caído como o nosso—e para isto basta ler o Eclesiastes—há mais contradição que sincronicidade!

Portanto, não dá para afirmar de modo absoluto que tudo o que dá certo esteja sempre certo. Há coisas que justamente porque dão certo, acabam matando o ser, que confunde as conquistas exteriores com afirmações de saúde interior.

O terceiro perigo é imaginar que a alma se satisfaça com as conquistas exteriores!

A alma lucra tanto com tais conquistas quanto um liquidificador com a bênção de uma reunião de oração. São dinâmicas e dimensões diferentes. Os vasos não se comunicam aí!

Nesse mundo caído um dos nossos maiores problemas é de dês-sincronia entre as várias dimensões do ser!

O quarto perigo é o de pensarmos que tudo o que nos acontece conforme aquilo que nós chamamos de “bom”, de fato nos faça “bem”!

Minha experiência com Deus e com a vida me ensinaram até aqui que muito do que se chama de bom, faz mal para o ser em certas circunstâncias. E muito do chamamos de mal, em determinadas circunstâncias é a salvação da alma!

Por isso, o salmo adverte que é possível que alguém esteja celebrando um êxito que de fato está gerando um êxodo da alma em relação ao seu verdadeiro bem!

O critério é o da alma!

Nenhuma conquista que não melhore a alma é conquista aos olhos de Deus!

Afinal, o que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?

E quando aqui falo de “perder a alma” não estou falando em ir para o inferno, mas em perda da humanidade, da sensibilidade, da capacidade de valorizar o que é essencial, de superficialização do espírito e, sobretudo, de dormência e anestesiamento em relação ao que é valor que carrega significado na construção do homem interior!

Assim, que você prospere, e eu também, somente quando nossas prosperidades externas não faça definhar a nossa alma!

Do contrário, será uma tragédia!

Caio Fábio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não serão publicados comentários ofensivos nesta página.

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

+ Vistos da Semana