SER PERFEITO OU PERFECCIONISTA?




SE AS PESSOAS FOSSEM PERFEITAS, POR ACASO ALGUÉM PECARIA?

"Sede perfeitos, portanto, como o Pai celeste é perfeito."
Mateus 5:48


Melissa tira notas excelentes na escola, seus professores a adoram e ela é super organizada. Todo mundo tem a impressão de que Melissa é a criança perfeita.

Mas as aparências superficiais podem ser enganadoras. Melissa é muito autoritária e intolerante com seus colegas. As outras crianças a chamam de mandona. Na verdade, Melissa prefere a companhia dos adultos. Ela é sempre elogiada por causa da sua inteligência e equilíbrio. O que a maioria das pessoas não percebe é que o fato de Melissa parecer precoce para a sua idade é na verdade uma necessidade de exercer o controle e ser aceita, o que encobre problemas mais profundos. Melissa não é a criança perfeita porque gosta de ser assim; ela é perfeccionista porque precisa ser desse jeito.

Várias crianças com problemas de auto-estima passam pelo sistema educacional sem serem notadas, porque nunca causam problemas. As crianças barulhentas e indisciplinadas é que são identificadas como problemáticas, ao passo que as excessivamente perfeccionistas sentam-se em silêncio nas carteiras e passam despercebidas. No entanto, a inflexibilidade pode ser indício de baixa auto-estima tanto quanto o comportamento rebelde que visa chamar a atenção. O perfeccionismo é apenas uma maneira socialmente mais aceitável de lidar com a baixa valorização.

Parecer perfeito nunca foi sinal de saúde mental. Bem ao contrário. Ter a coragem de ser imperfeito indica muito mais uma autoestima saudável do que fingir ser impecável. As crianças como Melissa às vezes se esforçam intensamente para serem especiais porque têm medo de não serem amadas se não fizerem isso. Se as crianças não se sentem amadas pelo que são, elas aceitam a atenção que recebem pelo que se esforçam para fazer. A questão não é saber se o comportamento delas é ou não perfeito e sim a motivação que as leva a ter esse comportamento.

Ocasionalmente deparo com versículos na Bíblia que me deixam perturbado. Um deles é este: "Sede perfeitos, portanto, como o Pai celeste é perfeito." Esta frase dá a impressão de que Jesus estava estabelecendo para os seus seguidores um padrão ridiculamente alto que, se não fosse alcançado, poderia fazer com que eles se sentissem maus e inadequados. No decorrer dos séculos muitas
pessoas confundiram o perfeccionismo moral com a retidão espiritual e definiram a espiritualidade em função do número de coisas das quais se abstinham, como fumar, beber e praguejar. Mas às vezes são exatamente as pessoas que se empenham em parecer perfeitas as mais culpadas de pecado.

A palavra grega traduzida como "perfeito" nessa passagem também pode ser traduzida por "maduro". Quando soube disso, eu me senti muito melhor. Sei que jamais serei perfeito, mas acredito que posso continuar a crescer. Ter maturidade significa reconhecer que vamos continuar a pecar, mas seremos capazes de rever nossas ações e corrigi-las. Fingir ser impecável é na verdade um sinal de imaturidade. Jesus não definiu a maturidade espiritual como a ausência de imperfeições e sim como presença da força. Eis como interpreto os ensinamentos de Jesus: não nos sentimos mais amados porque somos perfeitos; desejamos ficar mais maduros porque nos sentimos amados.

PRINCÍPIO ESPIRITUAL:
O perfeccionismo é uma máscara e não uma meta.



Livro: "Jesus, o maior psicólogo que já existiu" 
Autor: Mark W. Baker




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não serão publicados comentários ofensivos nesta página.

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

+ Vistos da Semana